Páginas

sábado, 1 de maio de 2010

No palco e na vida

MarADentro - edição 04 - maio - 2010
por Liz



Fresquinhas abril - nº03

Nessa ediçãp foi introduzida uma nova seção do MarADentro, que é a seção "Fresquinhas". Dentro desse balão amarelo inserimos noticias curtinhas que aconteceram no mês e que marcaram os nossos dias.

03 fresquinhas...
  • a Liz fez a sua primeira diagramação da revista Ultimato (www.ultimato.com.br), foi muito trabalho e muito aprendizado.
  • a Liz fez um curso de fotografia!! em breve haverá um up-grade fotográfico no marÀdentro
  • El Matador, Pedro Paulo, está de volta às quadras de futebol Por incrível que pareça até fez um gol na última rodada
  • completamos 2 anos de casados no dia 26 de abril!!

Um modelo saudável de sexualidade

MarADentro - edição 03 - abr - 2010
por Pedro Paulo


Para muitos sexo é instinto. O desejo e o prazer precisam ser satisfeitos a qualquer custo, segundo o hedonismo aí está à felicidade. Será que isso é verdade?
O ponto de partida, a razão principal da sexualidade é o relacionamento e não o prazer. Pensar em sexualidade apenas como sexo ou o estímulo da genitália seria reduzir o homem a um estado de irracionalidade e seu comportamento o assimilaria aos animais.
Na verdade, com o surgimento das teorias evolucionistas e o pensamento em voga de que não existe um referencial absoluto, que viemos do nada e por acaso existimos, suas conseqüências levadas ao extremo nos leva a uma angústia existencial. Seu reflexo no entendimento da sexualidade humana empobrece o homem, excluiu a moral, corrompe as relações e banaliza o sexo.
A Bíblia nos ensina que Deus criou o homem. A origem da existência humana está no seu Criador (Gn 1:26). Essa cosmovisão muda tudo, traz consigo propósito e significado a existência, norteia a vida e os relacionamentos.

Além de nos revelar a origem, as Escrituras falam sobre nossa essência - Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança (Gn 1:26)... fomos criados em distinção dos demais seres vivos, fomos criados semelhantes a Deus. A referência não é física, mas racional, moral, espiritual e social. E quais as implicações desta verdade?
Somos seres relacionais, criados para nos relacionar com Deus, com o próximo e com a natureza. Diferentemente dos demais seres vivos, somos dotados de capacidade intelectual e consciência de discernir entre o certo e errado, o que nos torna moralmente responsáveis em nossos relacionamentos. 
O modelo da Trindade (Deus Pai, Filho e Espírito Santo) é a base ou a origem de todo relacionamento humano. A comunhão é o relacionamento mútuo entre as Pessoas da Trindade, mas em nenhum momento esta relação compromete a identidade das Pessoas e muito menos impede a Pessoa de ser o que é, ou de agir.
Essa compreensão pode nos leva a aplicar esses conceitos no relacionamento entre o homem e a mulher.