Páginas

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Fresquinhas setembro - nº08



fresquinhas... 

  • Liz fez aquela deliciosa cirurgia de extração dos 4 cisos! Tudo correu bem, mas está com o rosto redondinho.. 

  • Juntos com toda a família da Liz passamos o feriado do 7 set no Santurário do Caraça, tempo de descanço conversa e comunhão
     
  •  Pedro organizou o Encontrão das UPAs com adolescentes de Viçosa e microrregião. Veja as fotos aqui
     
  • semana na roça: os pais da Liz viajaram e emprestaram a casa pra gente passar  uma semana lá, ai que vontade
    de morar ali de novo!

  • visitante ilustre: nesse mês o Murilo, Pai do Pedro Paulo, passou alguns dias em Viçosa com a gente, tempo bom demais!

A nova vida em Cristo

MarADentro - edição 08 - set - 2010
por Pedro Paulo
Ele vos deu vida, estando vós mortos nos vossos delitos e pecados, nos quais andastes outrora, segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe da potestade do ar, do espírito que agora atua nos filhos da desobediência; entre os quais também todos nós andamos outrora, segundo as inclinações da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos, por natureza, filhos da ira, como também os demais. Mas Deus, sendo rico em misericórdia, por causa do grande amor com que nos amou, e estando nós mortos em nossos delitos, nos deu vida juntamente com Cristo, (pela graça sois salvos), e, juntamente com ele, nos ressuscitou, e nos fez assentar nos lugares celestiais em Cristo Jesus; para mostrar, nos séculos vindouros, a suprema riqueza da sua graça, em bondade para conosco, em Cristo Jesus. Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se glorie. Pois somos feitura dele, criados em Cristo Jesus para boas obras, as quais Deus de antemão preparou para que andássemos nelas.” Trecho da carta de Efésios (Capítulo 2:1-10)

A canção da modernidade tem o tema maior da liberdade. Ao seu som dança o anuncio de uma nova era, o homem livre de tudo e de todos. Autônomo, com órbita em torno de seu umbigo. Esta insanidade só pode levá-lo a frustrante constatação de que vive num cativeiro, preso e sujeito aos caprichos do tirano egocentrismo, regido pelo terrível adversário que há muito tempo o colocou no regime da morte, e com ingênua sincronia conforma-se à maioria que vive alheia ao Criador.

O conceito de graça presente no cristianismo é único, e o diferencia de todas as demais religiões. O favor imerecido de Deus não deixa espaço para o mérito humano, pelo contrário, todos estão em pé de igualdade e carentes de Deus, mortos em seus pecados e delitos. Como pode um morto fazer algo em favor de sua salvação?

A porta de entrada ao cristianismo e toda a sustentação da vida cristã se deve a graça de Deus. João Calvino, o reformador do século XVI disse – 'Ora, pode-se perguntar: como o homem recebe a salvação que lhe é oferecida pelas mãos divinas? Eis minha resposta: pela instrumentalidade da fé. Da parte de Deus é graça somente, e nada trazemos senão a fé, a qual nos despe de todo louvor pessoal, então se segue que a salvação não procede de nós'. O que se pede ao homem é tão somente que creia.

A graça de Deus é suficiente para cobrir nossa vergonha e desfazer toda estrutura de poder que se levanta contra o conhecimento de Jesus, seja ela uma realidade da carne, do diabo ou do próprio mundo. Uma real oportunidade para desfrutar a liberdade, ser livre para fazer o bem e romper definitivamente com o mal.

Antes destinado a ira de Deus, agora a situação do homem regenerado é de testemunha viva de Deus. O texto fala exatamente disto, o novo homem resgatado da inutilidade de outrora para caminhar em boas obras, como promotores do bem e sinalizadores do reino de Deus.

ilustre gameleira

MarADentro - edição 08 - set - 2010
por Liz



Nesse mês de muita seca,
Dia desses meu pai foi capiná
No seu “sít” tão querido
Com seu cumpadre magela
Saíram no sol de rachá

Lá pelas tantas o suor já tava nos pés
a canseira era tal que decidiram pausá
foi então que desceram o morro
procura do velho brejo
abriram os cantis
tiraram as botas pros pés refrescá

deram de cara com aquele tronco
ou era a raiz que se desenterrou?
Uma gameleira forte robusta
Que sem a lama apareceu
Que exuberante, ilustre!
A sua beleza ao mundo mostrou

Alegres ficaram com o achado
Que os olhos até encheram de riso
Mas que obra linda essa árvore
Que delícia de sombra
Que maravilha de vista
Perfeita em cada detalhe e cada friso

No mesmo mês chegou um visitante
Em nossa Viçosa querida passeá
Não tendo muito turismo aqui
Levamos logo pra conhecer
A gameleira e sua beleza apreciá

O visitante paulistano
sem muito jeito no mato
Não pode ficar calado perante a gameleira
Ela é mesmo exuberante, pensou
Então tiramos retratos, contamos casos
Tomamos café a moda mineira!

Eita bela gameleira
Que veio pra daqui em diante
Embelezar nossas vidas
Com sua presença natural

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Semeando a esperança*

por liz
*exclusivo do blog, esse texto nao saíu no circular eletrônico - foi usado em uma devocional dada pela Liz na época dos preparativos para a Semana da Esperança, depois foi impresso do devocionário da SE.




A esperança é uma realidade fundamental na fé cristã. Ela encontra-se lado a lado com a fé e com o amor. Ela muda tudo, pois nos faz pensar além do aqui e do agora. A esperança cristã é a certeza de que Deus há de cumprir aquilo que nos prometeu.  A certeza de que tudo passará, mas as palavras do Senhor permanecerão para sempre. Uma das coisas mais maravilhosas que ele prometeu é que um dia Jesus Cristo voltará em majestade e glória para inaugurar um novo reino onde haverá paz e justiça para sempre. Ele prometeu que nesse novo tempo serão feitas novas todas as coisas, não haverá mais dor, ou lágrimas, tampouco haverá maldade ou orgulho. Seremos novas criaturas resgatadas ao plano original da criação, veremos Deus face a face. Isto é, todos aqueles que hoje esperam nele, não esperarão em vão.

Olhando as palavras hebraicas traduzidas como “esperança” no português aprendemos que há muito significado e valor que por vezes passam despercebidos. Châsâh e bât ach  têm uma associação direta com os termos refúgio, esconderijo e segurança; chûl  chı̂yl em outras passagens é traduzido como dançar ou gingar mas em Lm 3:26  está escrito “Bom é ter esperança (chûl  chı̂yl), e aguardar em silêncio a salvação do Senhor.” A palavra hebraica kesel literalmente significa víceras ou entranhas porém no SL 78:7 é dito “a fim de que pusessem em Deus a sua esperança (kesel), e não se esquecessem das obras de Deus, mas guardassem os seus mandamentos”. Também o termo tiqvâh que aparece no SL 71:5 “Pois tu és a minha esperança (tiqvâh), Senhor Deus; tu és a minha confiança desde a minha mocidade.” Poderia ser literalmente compreendido como corda ou junta de ligação. Devemos entender a esperança como as raízes de uma árvore antiga, aquela parte que se afunda em solo seguro e permite o crescimento sadio e estável.

Por isso, ela deve ser semeada para no fim ceifarmos a vida eterna. Deve ser sempre nova, podendo renovar as nossas forças. Deve ser viva, podendo vivificar-nos do nosso cansaço. A esperança deve ser internalizada, devemos ser como que “envicerados”, ou seja arraigados pelas nossas víceras, em Deus por meio da esperança. Deve ser evidente, mudando o nosso semblante, fazendo de nós pessoas alegres, gratas. A esperança deve ser um cordão, um elo entre o agora e o porvir, entre nós e Deus. A esperança deve ser uma dança, uma ginga a nos conduzir entre as duras realidades que, por enquanto, nos cercam.

Por nos transportar no tempo a uma realidade muito mais absoluta, a realidade prometida por Deus, à terra firme, é que temos a esperança por âncora da alma, firme e segura. Prossigamos a semear a certeira esperança.